Amor incondicional: As amigas que eu nunca esqueci *

Eu me inspirei em um post do MOBIC para fazer esse texto. No post original, a Mih falou sobre seus amigos, homens e mulheres, agradecendo pelos momentos felizes que passa ao lado deles. Aqui no Mutações, como eu tenho um namorado ciumento chato, eu não vou poder falar de nenhum amigo homem, mas tudo bem, afinal de contas, o que seria de mim sem essas amigas que eu nunca esqueci?


*Os nomes originais foram mudados à pedido de algumas amigas tímidas.

Laura* era uma menina muito divertida! Nós passávamos quase todas as tardes juntas, comíamos bolo, cantávamos no karaokê e ficávamos o tempo todo rindo e reclamando dos bofes logicamente, além de falarmos sobre poemas e planos para o futuro. Eu admirava o bom humor de Laura, o otimismo dela e o sorriso sempre largo, de orelha a orelha. Não me lembro de tê-la visto triste, chateada sim, mas chorando, deprimida? Jamais. Sinto saudades das gargalhadas escandalosas de Laura.

Natália* era metaleira e se considerava satanista. Ela andava sempre com roupas bem escuras, na maioria das vezes pretas, com coturno, uma cruz de metal invertida no pescoço, munhequeiras e sempre com seu cigarro na mão. Natália não se preocupava nem um pouco com o que as pessoas achavam dela e era sincera, doa a quem doer. Era exatamente por isso que eu me tornei amiga dela. Apesar de ter na época, apenas 15 anos, era muito independente e passava por coisas que eu não desejo a ninguém. 

Ahh como eu admirava Débora*. Inteligente, popular, menina séria e linda. Sua aparência me lembrava um pouco a Branca de Neve, branquinha e de lábios avermelhados. Débora me ajudou demais quando eu mais precisei dela e uma vez, quase nos tornamos cunhadas kkk. Quando eu perdi o contato com ela na primeira vez, eu senti muito a sua falta, era como se tivesse perdido uma irmã. Mas o destino a colocou novamente em meu caminho em 2009 e até tentei me aproximar dela, como nos velhos tempos. Infelizmente brigamos feio por um motivo que eu me arrependo ao extremo e assim, nossa amizade nunca mais foi a mesma. 

Angélica* nunca foi muito vaidosa. Cristã, tímida e com um jeito de falar único. Aliás, ela não é de falar pelos cotovelos. Ela escuta muito e quando fala, diz coisas sábias. Muito inteligente e amorosa, Angélica NUNCA deixou de ser minha amiga e isso já dura 7 anos. 

Melissa* era a típica amiga biscate que adora uma festa. Baladeira, beijoqueira e baixinha, Melissa era também muito bonita e tinha muitos admiradores. Nós éramos totalmente opostas no jeito de ser, vestir e no estilo de vida, mas idênticas no jeito de falar e tínhamos até alguns problemas em comum. Melissa era descolada, mas também era dramática, adorava ler e beijar meninas também, sendo que estava bêbada todas as vezes que fazia isso. É claro que brigamos algumas vezes, mas eu não conseguia ficar sem falar com ela por muito tempo e sempre voltávamos ao normal. De todas as minhas amigas, nenhuma superou a Melissa no quesito “loucura” haha.

Olivia* era tão magra que dava medo. Ela era mais alta do que eu e tinha um jeito todo “paz e amor”. Olivia era sorridente até quando não estava falando nada, me dava conselhos como ninguém, mas ao mesmo tempo era ingênua quando se tratava da vida dela. Olivia não era satanista como Natália, mas também não acreditava em Deus. E nem por isso, faltou assunto para conversamos, não nos demos bem ou ela me desrespeitou, não, muito pelo contrário. Olivia era uma das pessoas que mais me respeitavam quando o assunto era “religião” e eu a admirava por isso. Olivia foi a amiga mais zen que eu conheci.

Jéssica* não parava quieta em um lugar! Geminiana, falava sem parar um minuto e tinha tanta energia que eu muitas vezes não conseguia acompanhar. Enquanto Jéssica explodia e fazia tudo ao mesmo tempo, eu, taurina, era calma quase parando. Jéssica me dava muitos “puxões de orelha”, tinha problemas surreais, sendo que nas horas vagas ela era mãe e dona de seu próprio negócio. Jéssica me ensinou que muitas vezes precisamos esquecer os problemas pessoais e reagir, se quisermos alguma coisa nessa vida.

Isabela* é um doce, meiga e evangélica. Isabela era minha cliente e se tornou uma amiga para todas as horas. Uma sente a dor e a alegria da outra. Quando a conheci, achei que seria uma afinidade temporária e que muito em breve não nos veríamos mais. Não foi o que aconteceu.. ainda bem.

Paula* é tímida, calma, insegura e tem o cabelo mais lindo e colorido que eu já vi. Ela já foi minha cabeleireira, gosta das mesmas bandas de rock que eu e é toda misteriosa, bem na dela mesmo. Faz um tempo que conheço Paula, mas só agora nos tornamos realmente amigas. Ela também faz maquiagem e sobrancelha, trabalhando atualmente em um salão, portanto nossos papos dificilmente não tem o assunto beleza.

Perdi o contato com Laura por muitos e muitos anos, mas recentemente, reencontrei com ela e nos falamos apenas uma vez. Natália se libertou de antigos vícios, se casou e parou de curtir coisas macabras. Hoje ela mora com o marido em um apartamento e apesar dos anos terem se passado, parece que nunca deixamos de nos falar. Pedi perdão para Débora, ela disse uma vez que me perdoava e desde então, nunca mais nos falamos. Sinto muita falta da companhia de Débora. Hoje, Angélica mora em outra cidade, mas volte e meia me liga perguntando as novidades e quando ela vem para Araçatuba, sempre vou visitá-la. Melissa conversa comigo vez ou outra e sempre marcamos de nos encontrarmos, mas nunca dá certo. A última vez que vi Olivia, ela tinha se separado do namorado, estava morando sozinha e estudando muito para passar em um concurso público. Jéssica voltou para a sua cidade natal e quase nunca conversamos. Em 2012 tentamos realizar um projeto juntas, mas fomos reprovadas no processo seletivo e desde então, quase não nos falamos também. Isabela se preocupa comigo como se fosse um tipo de mãe e faz de tudo para me ver todo final de semana. Paula também sempre me procura para pedir conselhos, me ajuda a vender Mary Kay e eu sempre peço a opinião dela antes de pintar ou cortar o cabelo. 

Eu sinto saudades de todas, todos os dias. Cada uma com seu jeito de ser conquistou meu coração. Minhas amigas, minhas cúmplices e mesmo que não tenho contato com algumas, amo a todas da mesma maneira.

Obrigada meninas, por terem me ensinado coisas incríveis e serem tão lindas assim ;*

Um comentário:

  1. Olá Caroline...
    Penso que vale para quem tem amigos, pois não se esquecem quem a gente tem perto do coração e falando sobre este assunto"
    Amor incondicional: As amigas que eu nunca esqueci *", tem que ser para vida toda as amizades.
    Suas amigas parecem ser pessoas maravilhosas e a parabenizo por este afeto de amiga que você guarda consigo. Grata por ter partilhado e amigo te acompanho sempre, por isso por favor me mande recado quando postar assim posso prestigiar a sua matéria em primeira mão.
    Abraços sempre.
    ClaraSol.

    ResponderExcluir

Os comentários neste blog são moderados. Não serão aceitos comentários ofensivos, preconceituosos ou que induzem à violência.

© Mutações Faíscantes da Porto | Layout por A Design