O desrespeito com os Índios nos dias atuais *

Hoje (19 de Abril) é comemorado o Dia do Índio em todo o país, mas será que temos o que comemorar? A cada dia mais, vemos nas notícias o tamanho desrespeito que a pequena população indígena brasileira vem sofrendo nesses últimos anos. De acordo com o site Sua Pesquisa, antes mesmo dos portugueses chegarem ao Brasil, o número de índios era de aproximadamente 5 milhões, sendo que até 2010, este número não passava dos 896.917 indígenas. Acha muito ainda? Então saiba que esse número corresponde apenas a 0,47% da população brasileira.



Este fato se deve por conta de muitos terem sido mortos, escravizados, expulsos de suas terras para a construção de cidades e outros interesses daqueles que não tinham a mínima consideração por eles, fazendo com que optassem pela vida nas cidades grandes.

Aí algumas pessoas na ignorância ainda podem dizer que todo índio é violento, é isso e aquilo. Mas o que muitos não entendem é que eles, assim como nós, têm a sua própria cultura, costumes, arte e apenas recentemente começaram a ter acesso à educação e saúde disponibilizadas pelo Governo.


Mesmo assim, ainda existem muitas tribos sem acesso a estas necessidades básicas que atualmente deveriam ser um direito de todos os brasileiros, incluindo índios. Além disso, muitos ainda vivem do artesanato, pois não conseguem arrumar emprego em outras áreas graças à falta de oportunidades para pessoas com pouca ou nenhuma alfabetização. Ainda bem que existem, apesar de tudo, as reservas indígenas que tentam preservar o pouco do que restou da cultura dessas pessoas que já estavam na América Latina muito antes da mesma ser descoberta e que merecem o nosso respeito, independente dos seus costumes agradarem ou não.

É claro que nem todos são bons e existem sim índios loucos fazendo maldades por aí, como existe em qualquer outro lugar do mundo. O problema é que as pessoas muitas vezes generalizam, achando que “índio bom é índio morto”. O absurdo maior disso tudo são os últimos acontecimentos em que índios estão precisando lutar para ter de volta as suas terras e a crueldade como muitos agricultores e fazendeiros estão tratando esses povos, matando até mesmo crianças. 


Da mesma forma como queremos respeito, temos que aprender a respeitar também as diferenças, isso inclui culturas e tradições também, mesmo que estas se oponham a tudo aquilo que aprendemos até hoje. Se nós soubéssemos tratar a natureza, por exemplo, da mesma maneira como os índios a tratam, tirando apenas o necessário para nossa sobrevivência, tenho certeza de que não haveria tantos problemas ambientais como estes que estamos enfrentando nas últimas décadas. 


Vou parar o texto por aqui, pois não quero torná-lo cansativo, mas pensem nisso... com tamanha crueldade à esse povo, será que temos o que comemorar? Comemoram aqueles que conseguiram acesso básico à saúde, educação e o direito de permanecerem em suas terras, mas e aqueles que ainda não tem nem metade disso? Pensem nisso, não sejam mais egoístas e coloquem-se um pouco no lugar deles, para perceber se não pensariam da mesma forma. É hora de dar um basta em tamanho preconceito e falta de amor ao próximo que o mundo se encontra atualmente, e isso inclui todos os tipos de povos, culturas e sociedades.

DIA DO EXÉRCITO BRASILEIRO 
Hoje também se comemora o Dia do Exército Brasileiro, então para entrar no clima, indico assistirem o filme A Estrada 47 (A Montanha).

FILMES SOBRE ÍNDIOS 
Mas se você curte mais o uga uga dos Índios ou cenários mais selvagens, existe filmes bem legais também, tais como: Um Novo Mundo (oi Pocahontas!), Dança com Lobos, Índia – A Filha do Sol, O Caramuru, A Conquista do Paraíso e Tainá (para as crianças).

LIVROS
Agora, se você curte livros sobre exército, eu indico o livro Soldados da Pátria: História do Exército Brasileiro.

E sobre Índios, o meu preferido são Macunaíma e Sexta-Feira ou A Vida Selvagem.

Mais links:







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários neste blog são moderados. Não serão aceitos comentários ofensivos, preconceituosos ou que induzem à violência.

© Mutações Faíscantes da Porto | Layout por A Design