Jogos Vorazes - A Esperança (Parte I) *



Desde que estreou a franquia Jogos Vorazes, ela tem conquistado uma saga de fãs por todo o mundo. A primeira vista parecia mais uma saga teen, como Crepúsculo, mas com o tempo você vai vendo a complexidade da trama central. Podemos relacionar o sistema que envolve Panem, não é algo impossível de relacionar: pobres trabalhando para favorecer ricos e sendo subjugados por eles. 

Os dois primeiros filmes focam na realização dos jogos e no início de uma reação contra a Capital. Katniss passa a ser a imagem de esperança de toda uma nação para ver mudanças, ela passa a ser o rosto de uma revolução que ela não estava buscando. E é isso que "Jogos Vorazes - A Esperança Parte 1" deixa bem claro. Katniss está perdida em meio de algo que se formou ao redor dela. 

O filme me deixou em cima do muro. Por um lado, ele mostra bem essa questão de como a protagonista foi usada pelos dois lados. A causa dos revolucionários é nobre, mas não torna menos cruel o que eles fazem com ela: manipulá-la para participar de uma causa que não era dela. É perceptível que Katniss é um peão para Presidente Coin, da mesma forma que era no início para a Capital. Perceber que nem tudo é preto no branco, que não existe só o "lado bom" e o "lado ruim", tudo isso torna o filme interessante. 



Mas nem tudo foram flores nesse filme. Para começar, a divisão em duas partes foi totalmente desnecessária. Em vários momentos você percebe que algumas cenas poderiam ter sido cortadas e ter o mesmo efeito, tudo poderia ser feito em um filme só. Maldita ganância! Além disso, a pequena participação de personagens que foram muito interessantes nos outros filmes como Haymitch, Finnick, Johanna, deixa algo faltando no filme. E, para finalizar, a gente entende que a Katmiss estava bem abalada por causa dos jogos e pela situação do Peeta, mas ela passou o primeiro filme inteiro tão mal, que a personagem acabou ficando um pouco chata. Ela não lembrava em nada a Katniss que a gente conheceu nos outros filmes. 

Sobre o elenco, Jennifer Lawrence é o grande destaque do filme, sem dúvida, os outros personagens ficam todos bem secundários. Ela dá uma emoção muito boa ao personagem e fica bem genuíno, você acredita que está confusa e que está sofrendo bastante. Foi bom ver mais do Gale também, que nos dois filmes não fez muitas coisa. Foi ótimo rever Philip Seymour Hoffman que fez um excelente trabalho no filme que, infelizmente, foi um dos seus últimos. E eu adoro a Julianne Moore, mas não acho que ela convenceu como a presidente Alma Coin.

E vocês? Já assistiram o filme?

2 comentários:

  1. Já assisti o filme sim e amei!!!
    Jennifer consegue levar o filme nas costas, apesar desse ser bem diferente dos outros da franquia. Ainda vou ler o livro e confesso que estou bem curiosa com o desenrolar da trama, apesar de saber o final. Queria ver o resultado todo pronto logo, mas temos que esperar até 2015...
    Enfim, eu gostei dessa trilogia que me conquistou aos poucos =]
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
  2. eu nem li os livros ainda e preciso ler pra depois ver os filmes... esse lance de dividir um livro em 2 partes é lasca mesmo, fizeram isso com O hobbit, só que são 3 filmes pra UM livro... xD

    ResponderExcluir

Os comentários neste blog são moderados. Não serão aceitos comentários ofensivos, preconceituosos ou que induzem à violência.

© Mutações Faíscantes da Porto | Layout por A Design