Poesia: O tempo *

Sentiram falta das poesias gente? Eu senti rs. Infelizmente tive dias bem atribulados e cheios de compromissos nesta última semana, então o blog ficou meio que abandonadinho, mas isso é raro de acontecer, juro! Até porque não consigo ficar sem escrever por muito tempo. E como quinta-feira é dia de poesia aqui no Mutações, trago uma fresquinha para vocês.
 

O tempo
O tempo ensina
Que nem tudo nessa vida é sina
Às vezes é só puro comodismo
E falta de amor próprio mesmo

Aí a razão diz “ei, se toca!”
Você ainda não tá totalmente louca
Pra ficar aí aguentando humilhação
E alimentando essa maldita ilusão

Por dentro, tu ainda tens uma essência
Guardando a sete chaves toda sua inocência
Porque, aliás, ninguém precisa saber
Daqueles velhos sonhos que acompanham você

Seus olhos já estão desidratados de tanto chorar
E aí você dorme e novamente começa a sonhar
Não quero alguém perfeito, só que fique aqui comigo
E termine seus finais de semana assistindo GOT no domingo

Porque pela milésima vez.. não, eu não sou obrigada
A única coisa que eu quero ser é verdadeiramente amada
Por isso decidi não sofrer mais por este término
E ter a esperança de que um dia.. ainda mudo o meu destino


Espero que tenha gostado e compartilhe caso for de seu agrado..
Grandes beijos e abraços ;*

Acompanhe sempre
 

2 comentários:

  1. Ain eu adorei, principalmente essa parte:

    Por dentro, tu ainda tens uma essência
    Guardando a sete chaves toda sua inocência
    Porque, aliás, ninguém precisa saber
    Daqueles velhos sonhos que acompanham você

    Muito eu aqui.
    Parabéns Carol!!!
    Beijos <3

    www.prettythings.com.br

    ResponderExcluir
  2. adorei as poesias. Tanto a sua quanto a do livro Eu me chamo Antônio :D
    Eu tbm andei sumida do blog uns dias, ocupações demais... xD heheh
    bjs

    ResponderExcluir

Os comentários neste blog são moderados. Não serão aceitos comentários ofensivos, preconceituosos ou que induzem à violência.

© Mutações Faíscantes da Porto | Layout por A Design