Filmes que me representam *


Scott Pilgrim contra o mundo: Esse foi um filme que eu mesma desconfiei muito que seria bom, mas acabei gostando depois haha. Me representa porque super me identifico com a Ramona, seja no jeito de ser, pelo fato de termos a mesma idade e principalmente por todo peso do passado que ela carrega consigo. O Scott também ama um rock and roll, tem uma banda de garagem e tals, além de ser um filme numa vibe de vídeo game e quadrinhos, fazendo jus à história original e eu ser viciada nessas coisas haha.


Brilho eterno de uma mente sem lembranças: Não exatamente o filme me representa, mas novamente uma personagem em específico. Clementine é a Carol escritinha.. impulsiva, meia grossa mesmo, procurando por um pouco de paz e claro, querendo a todo momento mudar a cor de cabelo conforme o seu humor - a diferença que ela muda, eu não haha - bem isso. Eu também por várias vezes já tentei fazer de tudo para esquecer um relacionamento, assim como fazem os personagens e ao contrário deles, não consegui infelizmente (sim ainda tô nessa vibe de término recente de namoro, mas enfim).

O fabuloso destino de Amélie Poulain: Toda vez que eu vejo uma imagem da Amélie circulando nas redes eu penso em como eu era tímida e do quanto isso me atrapalhou na infância. Amélie possui extrema dificuldade para se relacionar com as pessoas, ajuda à todos mesmo que não receba nada em troca, sofre com antecedência, gosta das coisas simples da vida, não suporta injustiças, é observadora, sensível e sonhadora demais. Além disso, eu já fiz coisas um pouco parecidas, como por exemplo, deixar bilhetes com mensagens de amor e encorajamento por aí. O mais legal era ver a reação das pessoas quando os encontrava, assim como Amélie reagia ao fazer suas pequenas ações.


Across the Universe: Me representa pela trilha sonora do filme - ou melhor, musical - que é totalmente ambientado nos anos 60 por meio da obra dos Beatles. O personagem principal tem o nome da minha música preferida da banda, Jude, que se apaixona por Lucy. E com isso se torna um dos poucos filmes românticos que eu curto, afinal é Beatles né gente

As vantagens de ser invisível: Apesar de lindo, esse filme me causou um pouco de preocupação. Me vi ali dentro, sendo o Charlie diversas vezes, principalmente com relação à timidez, ao medo de se declarar para quem ele amava, sendo o cara legal que sempre está ali para os amigos, namorando alguém sem gostar da pessoa de verdade (e magoando quem ele menos queria), ou seja.. acabei me identificando mais do que gostaria haha. Apesar de tudo, a mensagem que o filme passa me fez chorar e me apaixonar literalmente.


Star Wars: Bom, todo mundo sabe o quão vidrada eu sou por Star Wars, então o filme me representa porque eu já consegui fazer com que as pessoas se lembrassem de mim quando veem alguma coisa referente à SW, assim como estou conseguindo fazer com GoT e Senhor dos Anéis agora (pelo menos a minha mãe lembra de mim quando vê haha). O problema é que eu só escuto as pessoas dizerem que viu algo e lembrou, mas nunca ninguém compra nada pra mim :( triste.

500 dias com ela: SIIIIIIIM, eu era muito Summer em um passado não tão distante, mas é como dizem: pra ser Summer, é porque algum dia a gente já foi Tom. E realmente, já quebrei muito MUITO MESMO a cara por ser boazinha demais, romântica demais e sofria, ah como sofria. Com o passar do tempo, eu até queria me envolver com alguns carinhas legais que conheci, mas por medo de sofrer mais um pouco, acabava com uma ficada que tinha tudo pra virar namoro assim, do dia pra noite. Do nada (ou quase) eu parava de gostar. O ápice foi quando eu disse pra um cara que não ia ficar mais com ele porque ele beijava mal. Enfim, já fui uma menina muito ruim, chamada de escrota definitivamente e apesar de tudo, consegui reverter a situação e hoje não sou mais uma Summer, juro. Pelo menos nem tanto haha.


Shrek: Caraaa eu sou muito a Fiona, na boa kkkkkkk. Sem frescura pra quase nada, até nos momentos em que ela estava na forma humana. O fato dela também querer ficar com alguém que não era bonito, mas era parecido com ela nos gostos, além de amar as coisas simples e ser romântica do jeito dela tem tudo a ver comigo que já fiquei/namorei com carinhas que não eram tão cobiçados assim kkkk fora o fato de que eu também já namorei um cara enorme que parecia um ogro mesmo, mas que até era gente boa apesar de tudo.

A Noiva Cadáver: Acho que de todos os personagens do Tim Burton, a que eu mais me identifico é a Emily com certeza. Ela é super romântica, se apaixona facilmente por Victor e o respeita ao ponto de aceitar que o mesmo se case com seu verdadeiro amor, já que é isto que o fará feliz. Me representa porque eu já abri mão de um namoro ao perceber que a pessoa não estava feliz comigo e não teria dificuldades em fazer isso de novo, afinal de contas, quem ama também deixa a pessoa livre para seguir seu caminho como bem entender.

O diabo veste Prada: Nunca tive uma patroa como a Miranda, mas chegou perto kkkk. O fato de já ter suportado absurdos no ambiente de trabalho - incluindo até mesmo um assédio sexual - e mesmo assim ter continuado no emprego, buscando mostrar sempre o melhor que eu tinha para oferecer, faz com que eu me identifique muito profissionalmente com a recém formada em Jornalismo, Emily. Além disso, eu só tive 3 trabalhos em que realmente atuava como jornalista, sendo que nos outros eu era uma vendedora ou uma secretária, assim como a personagem.

Bom, é isso pessoal. Não vou nem pedir mais desculpas por não estar postando com tanta frequência, porque isso virou rotina infelizmente, apesar dos meus esforços para me organizar. O que posso dizer é que vou tentar atualizar o blog sempre que possível e podem ficar tranquilos que não existe a menor possibilidade do Mutações acabar ok? Super beijo e até a próxima ;*
Este post faz parte de uma blogagem coletiva do grupo Irmandade das Blogueiras. Mais informações aqui.

2 comentários:

  1. Nossa, dos filmes citados, só assisti 4 :O
    As vantagens de ser invisível é bem fofo mesmo, timidez é algo bem mais comum entre as pessoas, agora... Uma chefe como a Miranda ninguém merece, já tive um chefe babaca e machista e eu mal aguentei 1 mês lá, haha.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é.. eu aguentei até demais viu.. e não foi um só infelizmente kk beijos

      Excluir

Os comentários neste blog são moderados. Não serão aceitos comentários ofensivos, preconceituosos ou que induzem à violência.

© Mutações Faíscantes da Porto | Layout por A Design